top of page
  • Foto do escritorFelipe Alecrim

Mentalidade Coletiva


Seguindo a série das reflexões de 15 anos de carreira, me peguei pensando em algo que sempre admirei quando uma instituição me proporcionou: Mentalidade Coletiva.

Trilhando o caminho que me levou até a enorme responsabilidade de liderar um time, isso é algo para entender e buscar evolução diariamente. E a partir dos meus valores, a chave está na importância da coletividade.


Assim como um time de basquete, onde todos atacam e todos defendem. Jogadas são desenhadas para que cada jogador tenha uma movimentação específica em busca da finalização e consequentemente dos pontos. (Ou de impedi-los, no caso defensivo).


Planejando a execução considerando os pontos fortes de cada atleta, seja defesa, rebotes, passes, arremessos de longa distância, distribuição de jogo e etc. Mesmo que o objetivo na jogada seja apenas se movimentar para abrir espaços ou atrair a marcação de outros jogadores e assim nem tocar na bola em si, mas fazer parte em busca do triunfo coletivo.


Sem contar na importância do pensamento defensivo, onde muitos movimentos não aparecem nas estatísticas, mas sem eles geralmente fica muito difícil conseguir a vitória.

Um treinador me ensinou isso quando tinha por volta de 12 ou 13 anos e até hoje eu tento fazer de tudo para que todos entendam o valor desse ensinamento.

Cito o basquete apenas por ser meu esporte favorito, mas isso obviamente se aplica a qualquer esporte coletivo. E claro que caberia aqui várias e várias citações de grandes atletas e treinadores que popularizaram esse discurso ao longo de suas carreiras, mas fica para uma outra hora. O resumo aqui pode ser: "Um ganha, todos ganham. Um perde, todos perdem".


E tudo isso fez ainda mais sentido quando aprendi sobre as tomadas de decisão de forma horizontal que direciona o "Gestão 3.0".

Um time é composto por várias pessoas com características e skills diferentes e cabe a todos nós provocar esse pensamento e apresentar ferramentas, métodos e processos para aplicá-los no dia a dia. Já citei isso em outras reflexões, eu sei kkkk. Mas, realmente isso me encanta. O pensamento e as ações para potencializar o coletivo e auxiliar para que todos entendam os objetivos, todos saibam qual efetivamente é o problema que precisamos resolver e principalmente, que todos tenham voz ativa para nos alinharmos e encontrarmos a melhor solução.


Mentalidade coletiva, sabendo que todos nós podemos evoluir de forma muito mais concreta e assertiva uma vez que buscamos isso tendo um time em nossa volta e fazendo parte dessa sociedade, seja a nível corporativo ou não. Onde todos estão ali falando a mesma língua, todos na mesma página, todos se movimentando, buscando os rebotes, se doando na defesa, encontrando o melhor passe para que aquela bola no estouro do cronômetro seja um "SPLASH" e assim todos ganhem o anel de campeão no fim da temporada.


Afinal de contas, o convívio com nosso time no ambiente corporativo vai e precisa acontecer. Buscar esse senso de coletividade pode unir a todos e trazer um ambiente mais saudável, pois, no fim das contas todos saem ganhando. A corporação em busca de seus objetivos e cada pessoa do time, também na busca pelo seu desenvolvimento. Fugindo do discurso famoso (e perigoso) em relação à competitividade, muitas vezes se baseando em ações rasas e individualistas.


Dia após dia, degrau por degrau ou como os treinadores dizem "Não existe cesta de 20 pontos", cabe à liderança incentivar esse tipo de reflexão e mais do que isso, buscar e apresentar ferramentas e metodologias para que isso faça parte do cotidiano de todos. E assim, mesmo que de forma gradual e evolutiva (porque nada acontece do dia pra noite), o pensamento seja cada vez mais coletivo, para que nenhum de nós tenhamos que nos submeter a ambientes onde o lucro está acima da humanidade.


Passa também pelo ambiente corporativo a nossa tarefa de construir ou reconstruir uma sociedade mais colaborativa e coletiva. E a minha responsabilidade enquanto líder não é convencer ninguém em relação a isso, mas sim entregar discursos e ferramentas para que cada pessoa do time pense no assunto e a partir daí tome as decisões que bem entender sobre a sua própria carreira.

E por fim, essa é mais uma reflexão em relação ao ambiente de trabalho, mas que pode ser usada para qualquer tipo de relacionamento da nossa vida. Inclusive, na relação de você com você mesmo. O que o seu reflexo falaria em relação a você mesmo se caso pudesse?


A vida ganha uma dimensão extra individual.

Você passa a se ver como parte de um processo que não termina em você.

コメント


bottom of page