top of page
  • Foto do escritorFelipe Alecrim

#13_Foo Fighters + Pitty + Barão Vermelho| The Town 2023


No AUGE da jovialidade, rolou o segundo dia de The Town lá no autódromo de Interlagos em SP. E dessa vez, além da companhia de sempre de Thatóla, minha bruxa (sempre ela), rolou também meu bruxo Giopato que abrilhantou ainda mais o dia de Rock`n Roll.


Além de vários conhecidos que estavam por lá fazendo parte das quase 420 bilhões de pessoas presentes.


Quase não fomos, pelo tamanho do trauma do primeiro dia, mas no fim das contas decidimos ir, com a esperança de ser um dia melhor.


Teve Barão Vermelho, Pitty, Foo Fighters, muita muita muita muita muita muita gente, mas muito rock`n roll. Chega pra resenha!


Antes de falar dos shows, deixa eu contar como foram as impressões em relação a organização do festival, principalmente em comparação ao que vimos no primeiro dia.


Preciso admitir que em vários aspectos as coisas melhoraram. A organização e agilidade das filas do lado de fora foi a maior e melhor surpresa. No primeiro dia demoramos 3 horas pra entrar, já no segundo foram apenas 30 minutos da chegada na fila até a entrada no festival, tudo muito mais rápido e organizado.


Lá dentro, logo de cara vimos que os locais que ficaram com bastante lama por conta das chuvas foram cobertos com pedras, mas o clamor e oração era pra não chover kkkkk.


Outro ponto positivo foi a melhor sinalização e limpeza dos banheiros, deixando tudo menos complicado de escolher qual usar.


E outra experiência que foi melhor e que vale a pena citar foi a qualidade do que comemos. Lá na Market Square, lugar fechado, com pratos representando cada bairro da cidade de São Paulo, todos assinados pelo chef Alex Atala, optamos pelo Yakissoba e foi a grande surpresa gastronômica da noite, pois estava excelente!


O único lado negativo, porém inevitável, creio eu, foi a quantidade de gente. Tinha MUITA MUITA MUITA MUITA MUITA MUITA MUITA, mas assim, MUITA MUITA MUITA gente. Caralho, como tinha gente! Eu nunca tinha visto tanta gente junta na minha vida. Li no Twitter que eram por volta de 140 mil pessoas, sendo que no primeiro dia eram 80 mil (não tenho certeza da informação, mas li no twitter kkkk).


Então, se locomover de um palco a outro e achar um lugar decente pra ver o show do Foo Fighters foi uma missão bastante estressante. Mas, não sei até que ponto daria pra imaginar que seria diferente num festival dessa magnitude.


Enfim, pelo menos no fim das contas NÃO CHOVEU E NÃO FEZ FRIO PARA HONRA E GLÓRIA DO SENHOR DAVE GROHL


Dito isso, vamos aos shows!


A gente foi na missão de ver os shows da Pitty, Detonautas, Barão Vermelho e Foo Fighters. Pra poder curtir um pouco o festival em si, comer, beber e descansar, por isso não nos importamos tanto com os outros shows do dia.


E tudo começou com o show da Pitty às 16h no palco Skyline.


E só há uma coisa a dizer: A PITTY É FODA PRA CARALHO! Puta que pariu, que mulher foda! Um showzão, comemorando 20 anos do "Admirável Chip Novo" onde a nostalgia tomou conta de todos e ainda passeando lindamente por uma carreira repleta de hits e sucessos.


Acompanhada de uma banda brutal com direito a orquestra, Pitty entregou um show de 1:15h pra ninguém botar defeito. Cantou, dançou, tocou guitarra e até atuou na performance de "Equalize" o tempo todo olhando pra câmera, entregando aquele POV em primeira pessoa. Inclusive, achei essa sacada muito foda!


A Pitty é nossa maior diva (viva) do Rock BR e não tem papo. Uma carreira para seguir os passos da rainha Rita Lee, mas também para orgulhar Janis Joplin, Joan Jett, Sister Rosetta Tharpe e outras ladys do rock`n roll. Porque sim: A Pitty é foda pra caralho!


Logo depois da Pitty começou o show do Detonautas e essa foi a tristeza do dia, infelizmente. Não pela banda, mas porque foi tão difícil de se locomover de um palco a outro que quando chegamos bateu o cansaço e o medo da chuva, por isso decidimos ir comer ao invés de ver o show. Mas, pelo que vi depois foi um show foda.


Mas a noite ainda nos traria um show absolutamente fantástico!

O BARÃO VERMELHO NÃO PARA NUNCA!


Cara, que show! Rock do jeito que eu gosto! Orgânico, cru, onde tudo que a gente ouve sai de um instrumento musical, tocado por um ser humano de verdade! Solos de guitarra e piano, batera e bass na cozinha perfeita, backing vocals e uma porrada atrás da outra, só hit, só clássico, só refrão pra galera dançar, pular e se esbaldar de tanto cantar a plenos pulmões.


O BARÃO VERMELHO É A MAIOR BANDA DE ROCK BR DA HISTÓRIA! Eu falei isso quando fui no show do Titãs, eu sei. Emocionado? Talvez um pouco, mas foda-se kkkk. Assegurando o meu direito constitucional de mudar de ideia eu digo: O BARÃO VERMELHO É A MAIOR BANDA DE ROCK BR DA HISTÓRIA!


Que show, meus amigos. Rodrigo Suricato nasceu pra fazer parte do Barão Vermelho, é a missão da vida dele, foi feito pra isso. Um baita cantor, guitarrista e intérprete. Respeitou a história do Barão, mas colocou a sua cara nas canções clássicas, representando toda uma legião de fãs sendo um de nós em cima do palco.


Um hit atrás do outro, emocionou a todos com menções honrosas aos eternos Cazuza, Frejat e dando o devido valor aos membros fundadores que ainda continuam na banda, Guto Goffi na bateria e Maurício Barros nos teclados, basicamente lendas vivas do Rock`n Roll nacional.


E quando tudo estava perfeito, ainda chega pro palco o lendário Samuel Rosa!

Um feat perfeito. Samuel trouxe ainda mais hits pro show que jogaram o nível que ainda mais pra cima.


Particularmente, mesmo com o Foo Fighters vindo em seguida, o show do Barão foi pra mim o melhor. Cantei do início ao fim, chorei e me esbaldei. O sentimento era de fazer parte da banda, todos em uníssono, fazendo parte de uma coisa só, onde todas as vozes faziam parte do espetáculo. Mostrando que o Rock BR nunca deixou de viver!


VIVA O BARÃO VERMELHO DE TODOS OS TEMPOS!


E pra fechar a noite rolou uma das maiores bandas de rock da atualidade (você gostando ou não rs) com a ENTIDADE chamada DAVE GROHL!


O Foo Fighters é a banda perfeita pra multidão! Assim como citei no Barão, é um rock orgânico, com seres humanos tocando instrumentos musicais (que hoje em dia não é tão comum rs) de forma magistral!


Guitarra alta, vocal agressivo e um baterista ABSURDO! Calma, vamos falar sobre Josh Freese.


O cara teve a dura missão de substituir uma figura ímpar e histórica do Foo Fighters, depois de uma perda absolutamente trágica que quebrou todos os fãs, que foi a morte de Taylor Hawkins. Uma noite muito triste, 1 dia antes do show da banda no Lollapalooza… devastador.


Josh Freese é um músico incrível e também parece que nasceu pra tocar no Foo Fighters. Intensidade, técnica e força absurda. Um puta músico foda! O Taylor é insubstituível e eterno, mas o Josh fez ser possível a banda continuar da melhor forma possível.


E pouco mais de 1 ano depois, com anúncio do novo baterista, disco novo e a chance que o universo me deu pra ver o show de uma das minhas bandas favoritas da vida!


O Foo Fighters provou mais uma vez ser a banda perfeita pra multidões. Dave Grohl claramente ama a multidão e sabe controlar como poucos, até porque o Foo Fighters tem muuuuuuito hit e muito refrão pra multidão cantar junto. Até cansa de tanta música pra cantar rs.


Foram 2:30h de um show absolutamente impecável muito por conta do setlist muito assertivo com porrada atrás de porrada. 140 mil pessoas pulando, dançando e cantando o tempo todo. Passando por hits históricos como "All my Life", "My Hero", "Best Of You", "Learn To Fly" entre vários outros (que eu poderia descrever o setlist inteiro aqui rs) e finalizando com a clássica "Everlong" prometendo não ser um adeus, mas sim um até breve!


Inevitavelmente, o The Town foi histórico e inesquecível (pelo menos pra mim), independente dos perrengues, porque os dois dias me permitiram ver bandas e artistas que moldaram e ainda moldam minha vida e por isso é impossível esquecer!


A terapia me ensinou que tudo que é relacionado a música me faz bem, me completa e me satisfaz. Zero arrependimento com qualquer ação relacionado a música, portanto independente dos perrengues, da multidão, dos apertos, das 4 bolhas nos pés, do cansaço e etc… valeu a pena, pois no fim das contas foi tudo pela música!



1 Comment


Guest
Sep 12, 2023

Aprendemos que não devemos comprar tênis novos na véspera de um festival 🙏

Like
bottom of page