top of page
  • Foto do escritorFelipe Alecrim

MAIS UM TEXTO QUE NINGUÉM VAI LER


É basicamente uma merda pensar assim, eu sei. E olha que eu nem comecei a explicar o porquê rs. Mas, o sentimento é esse mesmo, não tem jeito. Um texto, que ninguém vai ler, uma composição que ninguém vai ouvir, um grito de socorro que não vai ser atendido por ninguém.


Mas, CALMA! Aqui no segundo parágrafo eu vou prometer uma coisa a você (os "ninguéns" que por um acaso chegaram aqui): Esse texto não será um muro das lamentações! Eu não vou ficar me fazendo de vítima da sociedade, não vou ficar choramingando pelos cantos e dizendo que aqui não tem ninguém por conta dos terríveis hábitos de consumo e bla bla bla. Prometo que não. Mas, confesso que a vontade é grande rs. MAS NÃO!


Fato é que me encontro bastante desanimado no momento. Desanimado por saber cada dia mais como é difícil ser ouvido, né? Como é FODA ser notado e como é uma merda buscar e querer isso.

Mas, alto lá! Um passo atrás! POR QUE EU QUERO ISSO?


Confesso que os quase 2 anos de terapia ainda não me ajudaram a chegar a uma resposta concreta sobre essa maldita questão, mas tenho algumas suspeitas. Será que eu me sinto carente e sedento pela aprovação que eu quase nunca tive? Não descarto essa. O moleque que cresceu numa em mundos paralelos: O pragmatismo, métodos e doutrinas de uma instituição religiosa e ao mesmo tempo conhecendo e explorando o mundo do ROCK`N ROLL e obviamente sendo altamente criticado e bombardeado de insultos, comentários preconceituosos e definitivamente pouquíssimo apoio para trilhar seu caminho.


MAS, SEM VITIMISMO, ALECRIM, VOCÊ PROMETEU!


De fato esses universos criaram traumas em mim. Não vou negar que me deram inúmeras características boas, como LUTAR CONTRA TUDO E CONTRA TODOS, seguir meu instinto e criar uma casca contra esse tipo de preconceito. Hoje em dia, entendo que o que mais me fortaleceu e deixou claro pra mim foi a ideia de: TENTE AO MÁXIMO NÃO REPETIR AOS OUTROS ESSE PRECONCEITO QUE VOCÊ PASSOU.


Mas enfim, poderia falar sobre isso num livro de 700 páginas, mas só quando completar 10 anos de terapia.


Portanto, esse pode ser um dos motivos pela minha busca por aprovação. Escrevi dois textos sobre a minha INCONSTÂNCIA e não quero ser repetitivo nesse daqui.

Será que um dia eu vou me convencer de que talvez tudo que já produzi e ainda vou tem um único público alvo que sou eu mesmo? Às vezes pode ser isso, cara. Eu nasci pra externalizar os sentimentos pra mim mesmo e escrever e compor será a válvula de escape única e exclusivamente pra mim mesmo.


Eu não estou suplicando por atenção, mas eu sei que parece! hahahaha.


Essa é uma busca incessante e às vezes parece interminável por respostas, o processo evolutivo da terapia tem me ajudado demais, mas eu sei que tudo isso requer paciência. "Busque (auto) conhecimento" como diria o outro, é um saco!


Outra coisa que me tira o sono quando vou refletir é aquela desgraça de linha que parece muito tênue entre: Compartilhar meus sentimentos e só ficar falando de mim mesmo, só escrever em primeira pessoa. Será que to sendo chatão e as pessoas acham que eu to querendo holofote? QUE MEDO DISSO, PQP! Mas, ao mesmo tempo, eu acho tão REAL o fato de tentar sempre relatar e externalizar algo que verdadeiramente eu sinto e não aquilo que eu ouvi falar, sabe? É outra merda, assim como o começo do texto. Nesse exato momento, tô passando por isso. Tive a ideia do texto, já me justifiquei ali em cima que não ia choramingar e agora to aqui, me auto questionando e sabotando de novo rs. Parece que to sempre pedindo desculpa a alguém.


Eu vou dizer algo honestamente pra você (ninguém ou eu mesmo rs): Como é uma treta imensa ser assim, pensar assim, viver assim. Se me permite: PUTA QUE PARIU, MANO! Seria tão mais fácil só existir sem precisar passar por essas paranóias.

OOOOO ALECRIM, SEM MURO DAS LAMENTAÇÕES, CARA! VOCÊ PROMETEU!

Desculpa.


Eu não tenho nenhum final heróico, motivador ou digno de corte fajuto de podcast pro final desse texto, então prefiro me recolher à minha insignificância do que ficar enchendo aquela linguiça só pra deixar o texto maior.

OU PIOR, de forma alguma eu vou querer pagar de intelectual aqui e tentar ter respostas para esses questionamentos, não mesmo! Até porque eu não tenho.


Só me resta tentar aprender a conviver com isso até que a maturidade, a casca, a bagagem e a terapia me ajudem a entender, sem vitimismo, sem querer chamar atenção e sem ficar suplicando por atenção.


A você, ninguém, espero não ter plantado uma semente da intriga na sua cabeça e você Alecrim, espero não ter alimentado essa semente rs.


Mas tô tranquilo quanto ao peso dessas palavras e a possível irresponsabilidade de não ter um final inspirador.


Até porque esse é mais um texto que ninguém vai ler mesmo.


bottom of page